DanaPeper's Blog


Minha primeira experiência com RPG

barra 1

Pra quem não sabe, RPG (Role-playing game) é um jogo de interpretação de personagens que eu, religiosamente jogo todos os sábados  (alô? Petras? Cadê os jogos dos sábados?) e domingos de alguns anos pra cá! Mas o que eu me liguei quando eu comecei a ver e entender o RPG é que eu já joguei isso a muitos anos atras, quando eu era bem mais nova e nem sabia que o que eu estava fazendo era jogando o tal do RPG…

Bem, irei escrever aqui nesse blog o que eu contei pra poucas pessoas, sobre o que eu “jogava” naquele tempo. Não me considerem louca, ok? E riam com moderação.

Quando eramos crianças, eu e minha vizinha (Oi Tássia!!) bolamos uma historinha que chamavamos de “a brincadeira”, onde nela colocavamos os nossos principais ídolos do momento e interpretavamos como eles seriam se por acaso eles não fossem famosos. Começamos com um grupo pequeno de “personagens”, que eram os Beatles e mais alguns agregados (Eric Clapton, Mick Jagger, Brigitte Bardot, Robert Plant, as beatles girls…) onde nós duas dividiamos eles em dois grupos que ficava um para mim e outro para ela “criar” (fazer bibliografia, achar fotos, referências…). Quando todas as nossas anotações estavam prontinhas, com a biografia de cada personagem, recorte de revistas (naquele tempo não tinhamos nem computador, avalie internet, então vocês imaginam como era difícil achar as imagens desse povo antigo!!), lugares, nós começavamos “a brincadeira” propriamente dita.  Interpretavamos todos os personagens de uma só vez e vendo pelo lado RPGístico da coisa, nós duas eramos as narradoras e as PC’s da história ao mesmo tempo! O resultado era horas e mais horas dos nossos dias fingindo ser os nosso ídolos mais queridos, frequentando os lugares que nós queriamos frequentar (geralmente era Liverpool, por causa dos quatro rapazes), bolando a história como nós queriamos que fosse e era diversão na certa!

Com o passar dos anos, nós ficamos mais velhinhas, nossa gama de celebridades foi aumentando e alguns foram descartados por mortes horripilantes (coitada da Brigitte…). Que eu me lembre, os Beatles nunca sairam do nosso hall de personagens, mas eles de crianças/adolescentes, passaram a ser pais dos nossos novos ídolos do momento: Kurt Cobain, Axel Rose, Sheryl Crow, Claudia Schiffer… Enfim, era muita imaginação pra duas cabecinhas que não tinham o que fazer! Imagina só John Lennon casado com a Cynthia Power (sempre odiei a Yoko Ono) sendo pai e Kurt Cobain, que namorava a Kristen Dunst (que ficou conhecida e adorada por nós duas depois do filme Entrevista com Vampiro). Mas não parava por ai não! Já imaginou Jimmy Page e Supla juntos? Poisé, eles eram melhores amigos na nossa história e tinha uma banda no colégio! Enfim, era um estrelato da fama nessa “brincadeira” da gente que só vendo, aliais, jogando! Acho que devido a isso, hoje todo os personagens que eu faço para os jogos tem histórias e rostos, não gosto de fazer personagem sem que eles tenham tido vida antes de começar as sessões, nem muito menos dar uma descrição boa e achar imagens para eles.

Quando eu comecei a jogar RPG de verdade, com regras, dados e tudo mais, eu percebi que o que eu “brincava” quando era mais nova, era um tipo de RPG também, pois tinha o mesmo raciocínio e objetivo: diversão sem limites!

barra 2

Anúncios