DanaPeper's Blog


Resenha: Morto até o Anoitecer

– Contém spoilers!!!!! –

Estava em ansias para terminar logo de ler o livro e fazer uma resenha aqui. E hoje, mesmo com os olhos fechando (já eram mais de 4h da madrugada)  eu consegui ler as ultimas 20 paginas que faltavam!

Pra quem não sabe, esse é o primeiro livro dos “Vampiros do Sul” da escritora americana Charlaine Harris que deu origem ao sériado mais querido do momento: True Blood. Conta pelo ponto de vista da protagonista, Sookie Stackhouse – uma garçonete telepata, como é se relacionar com um Vampiro, Bill Compton, de mais de 100 anos de idade.

Mas tirando o romance apimentadíssimo (pra quem vê a série, sabe do que eu estou falando) de Sookie e Bill, o livro também retrata como fica a vida de americanos caipiras-sulistas  (também conhecidos como “rednecks”) de um cidade chamada Bon Temps quando descobrem que nesse mundo existem vampiros e eles decidem “sair dos caixões“, vivendo no meio de humanos normais, quer dizer, tentando viver, ou melhor, não vivendo, já que eles são criaturas que não respiram e não tem batimentos cardiacos.

Depois do aparecimento de Vampiro Bill, começa a acontencer uma onda de assassinatos em série contra “Vampirólogas” (mulheres que gostavam de transar com vampiros, por eles serem mais hot na cama do que os homens normais, e é claro, rolando aquela mordidinha de leve no pescocinho) e logo o xerife e o detetive da cidade desconfiam do vampiro recém chegado. Porém, Sookie que levava uma vida pacata (excluindo o fato dela ler mentes alheias) até o aparecimento do Vampiro Bill, com quem começa a ter uma amizade, logo rumando pra um namoro, não acredita no que os outros falam do seu vampirão e vai investigar esses assassinatos, mas mal sabe ela que é a proxima vítima.

Agora, é claro que vamos dar aquela comparadinha básica do livro com a série, né? O livro é todo escrito em primeira pessoa, tudo do ponto de vista de Sookie, o que é até legal, já que a Sookie do livro é muito mais interessante do que a da série, porém, no livro não tem muitos dos personagens que existe na série (alô, cadê a Tara? Cadê a Jessica?)  e  na série também tem alguns personagens que não existem no livro (Alô True Blood, ficou difícil achar um sósia do Elvis Presley pra fazer o Bubba?). E pra fechar, as cenas mais legais do seriado, com Jason (irmão da Sookie) é claro, não existe no livro.

Eu ainda não consegui decidir do que eu gostei mais, se foi do livro ou da primeira temporada de True Blood (o primeiro livro corresponde a primeira temporada). Os dois tem seus altos e baixos, mas no geral eu acho que cada um é bom ao seu modo. Talvez eu goste mais da série porque eu fico vendo aquele mar de homens lindos em cada take… * Suspiros intensos ao se lembrar de Eric*

Como eu adoro história com vampiros, indo de Anne Rice até a saga crepuscular de Steph Meyer, as Crônicas de Sookie Stackhouse foi uma super boa pedida pra mim. Mas eu confesso que se a pessoa estiver esperando ver/ler histórias de terror pra arrepiar todos os cabelinhos do braço, não leia nem assista a série, fiquem nos filmes de 80tistas de Drácula, nos cenários do RPG Vampiro, a máscara, e nas histórias de Anne Rice. Em True Blood/Vampiros do Sul não tem muito disso, você chaga muito mais a rir do que sentir medo, mas é muito interessante. Eu super recomendo!

Agora eu vou começar a ler o segundo livro da série, Vivendo Morto em Dallas, que é equivalente a segunda temporada de True Blood e assim que eu terminar de ler, esperem uma nova resenha por aqui!

Anúncios